Fibromialgia: chega a Marselha após 6.000 km de caminhada.

Da Normandia, passando por Portugal e Espanha, Violette Duval percorreu 6.000 km para sensibilizar para a fibromialgia, doença da qual sofre e de que é pouco falada. Um mal que, no entanto, atinge dois milhões de pessoas na França. Marselha marca o fim de sua jornada. 

Violet, nesta sexta-feira, para sua penúltima etapa, no Crown.
Violet, nesta sexta-feira, para sua penúltima etapa, no Crown. • © Photo VD

Bouches du RhôneMarsella

Violette Duval encerra uma grande aventura: a de uma longa caminhada de 6.000 km, um verdadeiro feito para chamar a atenção para a fibromialgia.

Essa doença “invisível”, que não deixa vestígios de inflamação ou lesão, causa dor permanente.

“Diante dessa dor excruciante, muitos acabam em depressão. Alguns até se suicidam ”,  explica Violette Duval, que sofre da doença.

Foi aos 14 anos que os primeiros sintomas de fibromialgia apareceram na jovem normanda.

A jovem Violeta descobre uma dor intensa que invade seu corpo, suas mãos, seus pés. Ela está com dor de cabeça. Tem problemas para dormir 

Com o seu carrinho, a sua "bagagem" exclusiva
Com o seu carrinho, a sua “bagagem” exclusiva • © Photo VD

Isso adiciona ainda mais crédito à sua conquista. Mais de um ano se passou desde que a jovem de 35 anos deixou a Normandia, de onde é natural.

Ele havia decidido ingressar no Marselha, via Portugal e Espanha. Como bagagem, um carrinho cheio de itens necessários.

Mas o confinamento a deteve apenas duas semanas antes de sua chegada programada a Marselha em abril passado.

“Voltei por dois meses e meio para a casa dos meus pais na Normandia. Foi um pouco frustrante, mas me permitiu seguir em frente e encontrar um trabalho para o futuro ”,  diz ele com otimismo. .

Desde 5 de junho, o aventureiro voltou à estrada, mais motivado do que nunca.

Eu dei muito e recebi muito.

Violette Duval, fibromialgia

Em sua jornada, muitos pacientes se juntam a ela para acompanhá-la por um tempo. Uma forma de compartilhar o que os une.

“Para todos nós que temos essa doença, é sempre a mesma história: a gente não se dá bem. Dizem que o problema é psiquiátrico, que está na nossa cabeça. Acho importante resolver ”. ações para relatar isso “.

Se perguntarmos a Violette quais são as lembranças mais bonitas desta viagem, ela responde:  “É toda a generosidade que este projeto gerou. Eu dei muito e recebi muito ”.

O carrinho, companheiro de uma jornada de 6.000 km.
O carrinho, companheiro de viagem de 6000 km • © Photo VD

Porque em seu caminho, Violette era frequentemente encorajada  “com sorrisos, buzinas simpáticas, intervalos para o café, potlucks e lanches”.

Houve momentos perigosos, como em túneis.

Violette Duval, fibromialgia

Mas qualquer aventura também tem suas dificuldades. Os piores momentos para a jovem estão relacionados à estrada e seus perigos:

“Tive preocupações na Andaluzia. Eles quase me atropelaram. Nem sempre me senti confortável nas estradas. Houve momentos perigosos, como em túneis. Na verdade, não existem muitas ciclovias na Europa. As condições de caminhada às vezes eram muito arriscadas. “

Mas as memórias ruins já estão desaparecendo com a abordagem do último estágio.

No sábado, Violette deixará L’Estaque às 14h para chegar ao coração de Marselha, a casa sombra do Porto Velho. A jovem é esperada entre as 16h30 e as 17h. No final da viagem, ela espera aproximar as pessoas.

A presença da mídia é muito importante para ela. Porque o objetivo do seu projeto é alertar o Ministério da Saúde sobre o problema dessa doença “invisível”.

Grande parte do percurso ocorreu pelo mar ou oceano.
Grande parte do percurso ocorreu por mar ou oceano • © Photo VD

“As coisas são complicadas de fazer. A ação que tomei é muito positiva para mim. Mas o reconhecimento puro e simples desta doença  não depende de mim. Quero chamar a atenção do Ministro da Saúde e pedir uma consulta.

Uma consulta para lembrar que 3% da população sofre de uma doença que passa despercebida. Candidate-se a financiamento para que as pesquisas realmente se interessem pela causa desta doença.

Portanto, essa façanha de 6.000 km não só permanecerá simbólica, mas também levará a uma decisão política de saúde.

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *