Compreendendo a fisiopatologia da fibromialgia

  • Tratamento central da dor
  • Bloqueio defeituoso de sinais de dor
  • Mudança nos receptores opióides
  • Aumento da substância P
  • Mais atividade em áreas do cérebro sensíveis à dor
  • Falta de redução da dor com imagens emocionais positivas
  • As causas
  • Génova
  • Gatilhos ambientais
  • Outras explicações
O cérebro humano

Sabemos que a fibromialgia (FM) causa dores musculares generalizadas crônicas, mas o “porquê” por trás dessa dor é desconhecido. Ainda mais confuso, embora a dor certamente esteja presente, os músculos das pessoas com FM estão normais, sem sinais de inflamação ou danos. É claro que a dor sem danos visíveis é difícil de entender e tratar, e é por isso que por muitos anos a fibromialgia foi erroneamente vista como uma doença psicológica.

Ao longo dos anos, entretanto, conforme os pesquisadores investigavam a fisiologia da FM, eles descobriram que a fibromialgia é um distúrbio de dor crônica caracterizado por sensibilização central ou tratamento modificado da dor.

Tratamento de dor “central” modificado

Sensibilização central significa que seu sistema nervoso central, que é composto de seu cérebro e medula espinhal, processa a dor de forma diferente (de uma forma mais “sensível”). Por exemplo, pessoas com FM interpretam estímulos dolorosos, como calor ou pressão, como sendo dolorosos em níveis mais baixos do que pessoas sem a doença. Eles também percebem essas sensações como mais dolorosas (maior intensidade) do que aqueles sem FM.

Existem vários mecanismos para apoiar essa ideia de tratar a dor anormal na fibromialgia. aqui estão alguns exemplos:

Bloqueio defeituoso de sinais de dor

Em pessoas saudáveis, uma vez que um estímulo doloroso é sentido, o cérebro sinaliza a liberação de endorfinas (seus “opioides naturais” ou “substâncias químicas para se sentir bem”), que bloqueiam a transmissão posterior de sinais de saúde. dor. Mas em pessoas com FM, esse sistema de alívio da dor está com defeito.

Com esse sistema defeituoso, não só faltam sinais de “inibição da dor”, mas também é impossível bloquear estímulos sensoriais repetitivos não dolorosos. Por exemplo, uma pessoa saudável eliminaria o toque persistente e indolor de um lápis na mão, enquanto uma pessoa com FM continuaria a sentir o toque. Isso sugere uma incapacidade de filtrar informações sensoriais irrelevantes do ambiente. 

Mudança nos receptores opióides

Mudanças no número de receptores opióides foram relatadas em pessoas com FM, particularmente uma redução no número encontrado no cérebro. Seus receptores opióides são os locais hospedeiros aos quais as endorfinas se ligam. Com essa redução, o cérebro de uma pessoa fica menos sensível às endorfinas, bem como aos analgésicos opioides como o Vicodin (hidrocodona / paracetamol) e o Percocet (oxicodona / acetaminofeno).

Aumento da substância P

Descobriu-se que pessoas com FM têm altos níveis de substância P no líquido cefalorraquidiano (o líquido claro que banha a medula espinhal). A substância P é uma substância química liberada quando um estímulo doloroso é detectado pelas células nervosas. Especificamente, a substância P está envolvida no limiar da dor, que é quando uma sensação se torna dolorosa. Altos níveis de substância P podem ajudar a explicar por que o limiar da dor é baixo em pessoas com fibromialgia.

Mais atividade em áreas do cérebro sensíveis à dor

Testes de imagem cerebral sofisticados, como ressonância magnética funcional (fMRI), mostram que na fibromialgia, a atividade é maior do que o normal em áreas do cérebro que sofrem de dor. Isso sugere que os sinais de dor estão bombardeando o cérebro ou que o cérebro está processando anormalmente os sinais de dor do corpo.

Falta de redução da dor com imagens emocionais positivas

Um pequeno estudo na revista  Pain,  que incluiu 16 pessoas com fibromialgia e 16 participantes saudáveis, descobriu que, ao contrário dos participantes saudáveis, os participantes com FM não mostraram redução da dor quando eles estavam experimentando estímulos dolorosos nas mãos, além de verem imagens positivas. Isso sugere uma ligação anormal entre a percepção da dor e a emoção.

Causas do tratamento da dor modificado

Os especialistas suspeitam que a fibromialgia é um distúrbio anormal do processamento da dor e acreditam que uma interação entre os genes de uma pessoa e uma ou mais exposições ambientais desencadeia a sensibilização central. É, portanto, o que promove o desenvolvimento de FM e / ou outros distúrbios de dor “central”, como enxaquecas ou síndrome do intestino irritável.

Génova

Em termos de genes, não há um “gene da fibromialgia” (ou conjunto de genes) para testar ainda, mas os cientistas estão trabalhando duro para encontrar genes envolvidos nas vias de tratamento da dor ligadas à dor. fibromialgia. Isso pode eventualmente ajudar os especialistas a criar tratamentos direcionados específicos para FM.

Gatilhos ambientais

Não se sabe quais exposições ambientais estão ligadas ao FM. É possível que uma infecção, como uma doença viral ou doença de Lyme, ou trauma emocional ou físico seja a causa do desenvolvimento da FM em pessoas geneticamente suscetíveis.

Outras explicações

Lembre-se de que, embora um processo “central” alterado pareça estar no cerne da fibromialgia, acredita-se que outros fatores contribuam para a dor da FM, como a má qualidade do sono, possíveis distúrbios hormonais e problemas. dor periférica, como pontos-gatilho miofasciais ou osteoartrite, que desencadeiam ou contribuem para a dor crônica.

Uma palavra de Verywell

Se você (ou um ente querido) tem fibromialgia, fique tranquilo, pois sua dor física e o aumento da sensibilidade à dor são reais. Não está em sua mente, mas sim uma consequência da maneira como seu sistema nervoso central processa a dor.

À medida que os especialistas continuam a descobrir e compreender a biologia da fibromialgia e como ela se desenvolve, fique à vontade para saber que você não está sozinho. Além disso, existem terapias disponíveis para aliviar sua dor e melhorar sua qualidade de vida. Não sofra em silêncio. Alcance pessoas como você e seu médico.

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *