Dr. Carlos Ambrosio Uboldi: existe fibromialgia

 

Por que muitos colegas dizem que a fibromialgia não existe?
O ser humano sempre tem uma tendência a ignorar o que ele não entende. E é mais fácil ignorar do que se dar ao trabalho de entender. Mas também, como Karl Popper diz: “A verdadeira ignorância não é a ausência de conhecimento, mas o fato de se recusar a adquiri-los”.
A fibromialgia é uma doença com mais de 150 anos, com outros nomes e, desde 1990, foi reconhecida pelo Colégio Americano de Reumatologia, que também estabeleceu os primeiros critérios diagnósticos. Como você pode ignorar isso?

Em 1992 a Organização Mundial da Saúde também a reconheceu e classificou, assim como em 1994, a Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP). Como você pode ignorar isso? Como um médico pode ignorar uma doença reconhecida pela OMS?
A desvantagem da fibromialgia, para colegas incrédulos, é que ela não tem uma lesão visível; portanto, dizem que não existe e, além disso, todos os estudos são normais. O diagnóstico é puramente clínico.
Se usarmos essa “lógica” de colegas com cegueira mental, então nenhuma das doenças psiquiátricas, como depressão, esquizofrenia, etc., existiria. porque até agora eles não têm uma lesão visível.
Nem o átomo, a eletricidade etc. existiriam. porque nós não os vemos. A fibromialgia tem data mundial, em 12 de maio, estabelecida pela OMS. Então nem deveria haver todos os dias do mundo de todas as doenças que o possuem.

Porque você não entende?
Porque, para entendê-lo, precisamos de novos paradigmas desconhecidos, como a Teoria do Caos, a Teoria da Complexidade, a Teoria do Estresse, a Psiconeuroimunoendocrinologia, etc. E nada disso é ensinado na Faculdade de Medicina. Devemos partir da base de que o ser humano é uma unidade complexa não só física, mas também psicológica, social, cultural, ecológica e espiritual. Isso é ter uma visão integral e holística do ser humano e também não é ensinada na Faculdade de Medicina. De um lado está a mente e do outro o corpo. Isso é ter um conceito muito limitado, limitado, linear e simples do ser humano. É por isso que a Medicina não resolve todas as doenças crônicas, que estão se tornando cada vez mais conhecidas, mas há cada vez mais pacientes. Por quê?
Este reducionismo faz cada vez mais especialidades, que dividem o corpo físico humano, e cada um vê aquele órgão ou aparelho que é o sustento de sua especialidade. O que acontece é que eles vêem o ser humano através do buraco em uma fechadura, perdendo de vista a visão global, integral, como deveria ser. E quando, eles vêem algum paciente físico, que está ansioso ou desencorajado, etc. lá eles se lembram da mente e então o inevitável acontece: “passe para o psiquiatra”.
Eu não nego a psiquiatria, que é uma especialidade importante como todas elas, mas todo médico deve ter uma visão integradora entre mente e corpo. Mas também muitos psiquiatras pensam ou afirmam que a fibromialgia é uma depressão. Apenas cerca de 30% dos pacientes com fibromialgia têm problemas psiquiátricos. Quem não vai ficar deprimido tendo um sofrimento como o da fibromialgia, com dor crônica sem diagnóstico, fadiga permanente, incapacidade de dormir adequadamente, etc? Qualquer doença crônica pode causar depressão.
Acima de tudo, não é compreendido porque a Psiconeuroimunoendocrinologia, que é um novo paradigma que integra a mente e o corpo, adota a teoria do estresse, caos, complexidade etc., é desconhecida. E a fibromialgia é uma doença psiconeuroimunoendocrinológica. E isso é ignorado pela Escola de Medicina Pública. A Faculdade de Medicina CLAEH ensina PNIE, e a Fibromialgia é ensinada, da qual eu dou aulas para alunos do quarto ano. Se minha única ferramenta for um martelo, tratarei todos eles como se fossem um prego.

Contribuição: Dr Carlos Ambrosio Uboldi

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *